Archive for junho, 2010

Mudança

Como posso me sentir seguro
Em um mundo que vivo só?
Serei sempre vazio,
Nada me completará.
Não sei se viverei do amor,
Pois acredito que não saiba amar.

Odeio estar na presença deles,
Mas gosto de vê-los agir.
Sou estranho, diferente,
Descompromissado e (às vezes) eloqüente,
Mas não faço isso propositalmente.
Talvez seja inocente demais para o mundo,
Ou a vida seja complexa demais pra eu viver!

Isso ocorre somente comigo?
Qual será meu próximo ato?
Estou mudando…
Para pior!
Estou com medo de mim mesmo!
Meus sentimentos são intensos,
Porém, não duradouros!
Minhas pretensões estão virando para um lado obscuro
Que eu sei, nunca pertencerei.
Enfim, nem consigo definir, o que pretendia dizer,
Só quero voltar, voltar a viver!

Infância;

Sinto falta,
De quando era criança,
Inocente e puro,
Tudo era simples e fácil!
Não havia
Tanta cobrança,
O futuro,
Ah, o futuro era um sonho,
Todos eram fáceis amigos!
Só enxergava o que os outros mostravam,
Só vivia a parte
Da qual deixavam,
O coração era
Incapaz de guardar mágoas,
Era feliz,
Porém, só saberia mais tarde!
Tudo no mundo era tão doce,
É tão diferente de hoje!
O vilão aparece
Repentinamente,
Seu nome é tempo,
Ele mostra que diferente do que achava,
A vida é difícil,
E vai muito além do que eu sabia,
Do que eu vivia!
Conheci o sabor da decepção,
Por mais que não queira,
Por mais que eu me esforce para não acontecer,
É magoado o coração,
Amigos de verdade
Tornou-se dificil de achar.
Os sonhos se apagam,
A esperança acaba,
Chega até a pensar que
Deus é mito,
O vazio no teu peito
É quem anda contigo.
Você cresceu,
Isso é inevitável,
Aprenda a conviver com isso,
Mais não deixa que se torne
Algo de ruim pra você,
E sim, que te amadureça
E faça tu estar preparado
Preparado para as mudanças,
Que sempre vão ocorrer!

Seguir em frente;

Fui,
Deixando tudo pra depois,
Colocando minha vida
em segundo plano,
Então percebi,
O tempo é irreversível,

Meus atos, palavras e
Pessoas deixados para trás
não voltaram nunca mais!

Como eu errei,
adiando o que não devia,
E, agora eu sei
que se aproveitasse
antes..
teria vivido,
vivido o que queria.

Agora não tenho
mais deculpas,
a culpa é toda minha,
Só me resta o arrependimento
e o choro,
se não posso
voltar ao começo
e mudar todo o roteiro,
Vou tentar esquecer,
E mudar o fim para melhor!
Pois queira e, ou não,
O autor disso tudo sou eu!