Archive for maio, 2011

A Mente Dela.. .

As cinzas caem dos céus
O frio toca a pele em forma de vento
O farol dos carros cega teus olhos
Passam homens fardados, com uma sirene que ensurdece,
Chamas tomam conta dor corpos,
Alguns ainda vivos gritam por socorro,
E ela caminha
Desfilando lentamente tua pela clara cheia da tatuagens,
Com um cigarro a boca
Uma garrafa de vodka as mãos
Em meio da destruição,
Ao caos,
Um cenário que levemente faz-me ver o inferno.

Repentinamente ela olha para mim,
Um olhar fixo e penetrante,
Seus olhos mostram seus medos
Criados rotineiramente.

Pasmo,
Nunca imaginei que na mente dela seria assim,
Haveria uma mundo em desespero,
Criado dia pós dia por suas próprias experiências.

Devaneios De Um Bêbado Medieval


Cigarros queimam
Carruagens na estrada passam
As canecas  lentamente se esvaziam,
Sinos batem
Juntos a  melodia sombria
Que trás desespero a mim.

Sinto que olhos me cercam
Mas ninguém além de mim está aqui,
Falsos espíritos tentam iludir-me
Mas cavalheiros me protegem.

A princesa de lindos cabelos perturba a minha mente.

Saio,
Caminho pelos campos,
Procuro  algo para amar
De forma repente surge uma camponesa a minha frente,
Com singelos gestos ela dança,
O  teus olhos lábios doces juntam-se aos meus,
Que hora esqueceram a princesa.

A lua se põem,
Já amanheceu
E eu acordo
sem saber se tudo antes foi um sonho,
Ou se foi minha primeira perfeita realidade,
Apenas sabendo,
Minha princesa agora é a camponesa dançante.

Participação: http://algozdepressivo.wordpress.com/

As Águas Da Madrugada

Olhos nos olhos
Lábio nos lábios,
Mãos coladas,
Corpos envoltos por abraços.

A beira do rio tem linda paisagem,
A garota morena lembra-me a perfeição,
E as presenças desconhecidas
São apenas faces quando estou ao teu lado.

Madrugada gostosa,
Pena essa de o tempo passar tão rápido.

Mas ao dormir,
Continuo nos teus olhos olhar,
Os teus lábios em meus sonhos beijar,
Com teus abraços me aquecer
E com tuas maos juntas as minhas.

[continua…]

Coração


Coração,
Faz-me sofrer assim porque ?
Queres meu mal,
Ou somente queres ver-me sofrer  ?
Queres que eu ame,
Mas sempre quem não vai a mim corresponder.

Coração,
Desde sempre fez-me crer ser diferente,
E minha razão
Parece vir de um cérebro doente,
Minhas atitudes apenas trazem á mim percalços,
E os obstáculos mostram o quão burro és !

Coração,
Porque insiste em pulsar em minhas veias
Um sangue que eu não quero ter,
Porque escuto á ti,
Sempre o que eu nem deveria saber.

Coração,
Com o tempo irá aprender,
Que beijos, abraços, amor…
Só em filmes irá conhecer.

Coração,
Fique em silêncio um tempo,
Dai-me paz,
Sejas lento,
E por um momento
Deixe-me saber de mim mesmo,
Pois o que quero,
Um dia há de vir,
O amor sincero
Vou tirar dos filmes,
Com alguém farei existir.

Pois Nem Tudo É Como A Gente Escolhe, Como A Gente Quer…

Bendito o dia em que eu morrer,
Não terei de lembrar
Nem de esquecer,
Não terei de falar
Nem de ouvir.

Descansar,
No além desconhecido,
Sem pensar num futuro
Ou num passado ao qual poderia ter vivido.

Bendito o dia em que tudo se consumar,
Burguesia, capitalismo,
Será o fim também da meia dúzia de falsos amigos,
Das desilusões,
Das pressões,
Dos perigos.
Será o fim de todos os motivos
Quem um dia te convidaram, enganaram a viver.

Fim de vícios,
Sentimentos,
Momentos,
Lembranças
E sonhos.

Fim, Apenas o fim.