Archive for julho, 2011

Tudo Quase Como Antes…

Mas uma noite em que um cigarro queima,
O café desce a garganta
E o luar me traz lembranças,
Noite gelada
De pura poesia e reflexão,
De dúvidas, e certezas no coração.

Noite em que eu queria sentir o calor de tua pele,
Fazer dos corpos um só pela primeira vez,
Te amar em plena lucidez.

Eu te amaria por toda uma vida,
Se somente pedisse-me, quisesse-me
Desejasse-me,

Pois ao teu lado sinto paz,
Com tu quero sempre algo mais,
Dar-te algo mais.

Se não faço meu melhor
É porque não sei,
Mas se tento conquistar-lhe a cada dia,
Cada minuto de meus pensamentos teus,
É porque com pureza meus sentimentos são reféns de ti.

Apenas quero entregar-me a cada instante,
Quero intensidade,
Insanidade,
Paixão integra e louca.

Quero um amor,
O teu amor,
De verdade,
Nem que para isso eu demore cem mil anos,
Mude de cidade,
De qualidades…
Mas meu mundo pará quando te coloco nele,
Meu coração se alegra quando você pará meu mundo,

Você já me tem,
Agora eu quero ter você !

Ainda Há De Acontecer

Bendito o dia em que eu morrer,
Não terei de lembrar
Nem de esquecer,
Não terei de falar
Nem de ouvir.

Descansar,
No além desconhecido,
Sem pensar num futuro
Ou num passado ao qual poderia ter vivido.

Bendito o dia em que tudo se consumar,
Burguesia, capitalismo,
Será o fim também da meia dúzia de falsos amigos,
Das desilusões,
Das pressões,
Dos perigos.
Será o fim de todos motivos
Que um dia me convidaram, enganaram á viver.

Fim de vícios,
Sentimentos,
Momentos,
Lembranças
Sonhos e erros.

Fim, apenas fim !